FANDOM


A Terra, Parte 1
15
Número de episódio 7
Temporada 2
Número total 15
Título em Teremedó A Ṭerra, parṭ 1
Data de estreia 6 de novembro do 2016
Lista de episódios
anterior
Ide-vos embora!
seguinte
A Terra, Parte 2
Coisas de Irmãs

A Terra, Parte 1 é o episódio 7 da temporada 2 da série Coisas de Irmãs e o episódio 15 em total. Estreou-se em 6 de novembro do 2016.

Argumento Editar

O episódio começa numa noite, onde numa discoteca, o 21 está a dançar com uma rapariga que se chama Sandra López, e está a desfrutar. Num momento durante o encontro, o 21 e a Sandra dão-se um beijo. Então uma voz diz: “Posso dizer-te uma coisa?” e o 21 diz: “Fim do programa”, estava numa holocoberta de Bàrcinon. O 21 sai da holocoberta, e encontra-se a Kimberly que quer falar com ele. Ela diz-lhe que irá à Terra, porque lhe deram uma permissão, e o 21 diz que ele está com alguns problemas e por isso decidiu vigiar o que ele fizer e também diz que a FEF está instável, duma maneira parecida aos governos da Terra. E diz-lhe que a regenta Andrea é perigosa, e quer vingança contra todos os planetas da FEF e outros que colaboram com eles. O único planeta que não está a ser atacado é Teremedó, sem saber a razão. A Kimberly pergunta se elas podem ajudar, e o 21 diz que se puderem ajudar, comunicar-lho-á. E deseja-lhe boa viagem à Kimberly.

A Kimberly encontra-se com a sua irmã Karla, e diz-lhe: “Já estás pronta para ires à Terra?” e a Karla responde: “O teu amigo almirante acha que tens coragem para ires tu também? Porque eu te vejo a ti um bocadinho preocupada”. E então a Kimberly diz que na verdade, está com medo. O namorado da Karla vem acompanhar às raparigas, e os três vão à estação de comboios STK para irem à Terra. As raparigas despedem-se dos seus pais na porta da estação, e baixam até a estação, à espera dum comboio. Quando vem o comboio, da linha S2, os três sobem. Passam pelo hotel Kasa Tot, pela sua escola, e saem da cidade e de Teremedó. Na primeira estação na Terra, numa cidade chamada Lisboa, do país Portugal, os três baixam. E com as passagens, conseguem sair, e o namorado da Karla passa com ela porque ele não tinha passagem. E vêem a cidade humana, diferente.

Enquanto isso, num lugar, o Yusma diz: “Chegastes”. Em Lisboa, os três estão perdidos, e não sabem o que podem fazer. A Kimberly diz: “Vou perguntar onde está a estação de comboios STK”. E numa loja, entra e o dono diz-lhe: “O que é que você deseja?” e a Kimberly responde: “Não conheço ninguém chamado Você, eu só estou a perguntar-te onde está a estação de comboios STK”. O dono surpreende-se e diz: “És um bocadinho rara, miúda… Eu não conheço esses comboios”. A Kimberly lembra que a estação de Lisboa se chama “Cais do Sodré”, e o dono indica-lhe o caminho. A Kimberly diz: “Obrigada!”, e vai-se embora. A Karla diz: “Sabes como podemos voltar à estação?” e a Kimberly diz: “Sim, e esse homem confundiu-se porque achou que eu conhecia uma pessoa daqui que se chama Você, mas eu não conheço essa pessoa”. O namorado da Karla começa a rir, e quando a Kimberly pergunta qual é a brincadeira, o rapaz responde: “Nada, continuai”.

Quando os três chegam à estação, a Kimberly diz: “Vamos à cidade Barcelona, o nosso objectivo”. E com as passagens, apanham de novo os comboios, ocultos num elevador normal do metro”. Mais uma vez na estação, os três sobem num comboio da linha S8 que não pára em todas as estações, e vai mais depressa. Baixam na estação “Barcelona | Plaça de Catalunya”, e com as passagens também saem à rua. Encontram-se no centro da cidade, mas esta cidade é muito grande e não sabem onde mora o almirante 21 ou os seus amigos. A Karla diz: “Vinde, farei uma tripla fusão convosco” e a Kimberly diz: “Connosco?” e a Karla diz que com uma tripla fusão mental poderão saber onde tem de ir. A Kimberly diz que o percebe, e os três fazem a fusão mental juntando os narizes e têm uma visão duma rota que a têm de seguir.

A equipa vai até uma paragem de auto-ónibus, e ali os três apanham um auto-ónibus chamado H12. Os três vão com os olhos fechados, só com a imagem na sua mente dum caminho que o têm de seguir. Elas surpreendem-se que em Barcelona também se utilizam os euros, mas os bilhetes são diferentes do que em Teremedó. No entanto, têm as moedas parecidas, e pagam com moedas de Teremedó sem que o motorista perceba que as moedas não são da Terra. E os três voltam a fechar os olhos, até a paragem onde têm de baixar. Quando eles baixam do auto-ónibus, os seus olhos abrem-se, mas não sabem onde se encontram. A Kimberly diz aos outros: “E agora o quê?” mas ninguém sabe o que têm de fazer agora. A Karla diz: “Será que aqui mora o almirante 21?” e então a Kimberly tem uma visão que lhe indica uma casa. A Kimberly diz: “É lá”.

Entram na casa, e de novo com os olhos fechados sobem até o andar que indica a visão. E lá, a Kimberly propõe chamar à porta e os outros estão de acordo. Na porta, sai uma mulher que lhes pregunta aos três o que desejam, numa língua que se parece à de Bàrcinon mas é um pouco diferente. A Kimberly quer dizer alguma coisa, mas então da casa sai a regenta Andrea Campos e apresenta-se aos três, e diz à sua mãe que eles são amigos seus. A mãe diz que se precisarem dela, estará em casa. A Andrea diz que por enquanto não precisa de nada. Os quatro apanham o elevador, e a Kimberly diz: “Sabemos quem és e as tuas intenções”. A Andrea diz ao namorado da Karla que ele tem de voltar para Teremedó, porque ela quer falar só com as raparigas. E antes de poderem defender-se as raparigas, a Andrea transporta o rapaz à sua casa em Bàrcinon. A Andrea então diz: “Sois demasiado inteligentes, mas eu sou bem mais inteligente. Por enquanto, tenho de entrar na vossa mente. Fá-lo-ei seja como for”.

A Kimberly diz que não o permitirá e a Karla diz que ela também não, mas a Andrea utiliza um objecto e as duas raparigas não se podem mover, só podem mover a cabeça. A Andrea junta o seu nariz com o da Karla, e então põe-lhe alguma coisa na sua mente e a Karla fica inconsciente. A Kimberly não sabe o que pode fazer, mas a Andrea também junta o seu nariz com o da Kimberly e ela também perde o conhecimento. A Andrea toca uma combinação de botões no elevador e o elevador vai até uma zona do edifício secreta. Lá coloca as irmãs Duver§a nuns canos, fecha-os e as duas raparigas desaparecem. E em Bàrcinon, todas as lembranças das irmãs Duver§a nos seus pais e no namorado da Karla desaparecem, como se elas não tivessem existido nunca…

Continuará…