FANDOM


A rapariga que tens de ser
5
Número de episódio 5
Temporada 1
Número total 5
Título em Teremedó La noya ke ṭens ke sé
Data de estreia 25 de janeiro do 2015
Lista de episódios
anterior
Segue o teu jeito
seguinte
Já que és única
Coisas de Irmãs

A rapariga que tens de ser é o episódio 5 da temporada 1 da série Coisas de Irmãs e o episódio 5 em total. Estreou-se em 25 de janeiro do 2015.

Argumento Editar

O episódio começa numa piscina do edifício Casa da Água, onde a classe da Kimberly está a fazer uma excursão de natação. A Kimberly pula à água e a sua amiga espera, e a Kimberly faz depressa 12 voltas na piscina em poucos segundos. A amiga da Kimberly diz-lhe que se calhar pode ir mais devagar, e a Kimberly diz que aceita, e agora nadam juntas devagar. A Kimberly perguntar-lhe-á à professora se lhe pode dizer a hora, e sai da água. A amiga da Kimberly está a observar à sua amiga, e depois põe-se a nadar. A Kimberly aproxima-se à professora e diz-lhe: “Que horas são?” e a professora responde: “Ficam 20 minutos para as 12 horas, quando a classe terminará. Mas ainda tens tempo para nadares um bocadinho mais”.

A Kimberly volta à água, e vê que a sua amiga está a pensar nalguma coisa. Então pergunta-lhe o que se passa, e a amiga diz que não se passa nada. A Kimberly diz-lhe que se conhecem e sabe que está a ocultar alguma coisa, e acontece sempre que vão à piscina. Então a amiga diz: “Todo o teu corpo é escuro, a tua pele…” e a Kimberly fica sem saber o que fazer. A amiga diz que se está preocupada por ser diferente das demais pessoas e não ser “a rapariga que tem de ser”, e a Kimberly diz que está acostumada por isto. A amiga pergunta-lhe se a ela se calhar lhe incomoda ser diferente, e a Kimberly diz que não. A Kimberly põe-se a nadar e começa a lembrar quando na inauguração da nave FEF 09 umas pessoas pensavam que ela e a Karla eram da Terra.

A excursão da piscina acaba, e a Kimberly sobe ao auto-ónibus para voltarem à escola. E na escola, a Kimberly encontra-se com a Karla e as duas vão para a sua casa. No caminho, a Kimberly pergunta à Karla se alguma vez pensou que elas duas são diferentes das demais pessoas pela sua cor de pele, e a Karla diz que não. Quando as duas chegam a casa, a Kimberly pergunta-lhe aos seus pais por que elas são diferentes e os seus pais não, e o seu pai responde: “Vós sois diferentes na cor por alguma razão desconhecida, mas sois teremedosianas como os demais. Por isso, não tendes de preocupar-vos. Se tiverdes problemas e alguém vos incomodar nisto, dizei-mo a nós”. A Kimberly responde: “Obrigado, mas isto não tem nada a ver convosco nem com termos problemas”. O seu pai responde: “Como quiseres”.

No dia seguinte, a Kimberly está numa classe de hipnotismo e fusão mental com a sua amiga, mas a Kimberly está a ter dificuldades para concentrar-se. A professora diz aos alunos para passarem uma mensagem na fusão mental, e a Kimberly não consegue realizar esta tarefa porque está a pensar numa coisa diferente. Então, a professora pergunta-lhe à Kimberly o que se está a passar, e a Kimberly não quer responder. A amiga da Kimberly pergunta-lhe se está a pensar no que lhe disse na piscina, mas a Kimberly não quer falar disto. A Kimberly pede à professora para deixar a classe, já que não está concentrada para a fusão mental e se calhar ela é um problema para fazer bem a classe. A professora aceita, e a Kimberly sai da classe.

A Kimberly encontra-se com a Karla, e a Karla pergunta-lhe o que se está a passar. A Kimberly responde que estão com um problema, e olhar-se-á uns registos do seu passado com o objecto projector de hologramas para fazer-se invisível. A Karla diz que a acompanhará. As duas raparigas saem da escola e vão à sua casa, e a Kimberly diz aos seus pais que esqueceu apanhar uma coisa. A Kimberly apanha o objecto projector de hologramas e as duas raparigas saem de casa, e os seus pais não sabem o que elas estão a planear. As duas raparigas vão até a câmara municipal de Bàrcinon que se encontra no mesmo edifício que a escola, mas a partir do andar 50. A Kimberly e a Karla tornam-se invisíveis e a Kimberly começa a olhar o registo dos seus nascimentos.

A Kimberly e a Karla descobrem uma coisa muito surpreendente, mas sem querer a Karla dá um golpe ao objecto que as faz invisíveis e aparecem, e são vistas pelos ecrãs dos guardas de segurança. Os guardas chegam à sala do registo dos cidadãos e encontram às duas raparigas, apanham-nas e levam-nas até outra sala onde lhes perguntam o que faziam no registo dos cidadãos, o que queriam e como é que entraram na câmara municipal sem serem vistas. As duas raparigas não sabem o que dizer, e os guardas de segurança informar-lhes-ão os seus pais da intrusão. A Kimberly diz que estão numa boa desordem, e não sabem o que lhes dirão os seus pais. A Karla diz que eles também têm uma coisa que deveriam ter explicado antes.

Os pais da Kimberly e a Karla chegam à câmara municipal, e os guardas explicam-lhes o que as suas filhas fizeram. Os pais perguntam aos guardas se podem falar com elas, e os guardas dizem que as tirem da câmara municipal e que não mexam de novo em assuntos privados. Os pais encontram às suas filhas e o quatro saem da câmara municipal, e o pai pergunta às suas filhas por que entraram na câmara municipal sem permissão. A Kimberly diz que queria olhar o registo dos seus nascimentos, e descobriu uma coisa que os seus pais não lhes contaram: a Kimberly e a Karla têm um ADN diferente aos seus pais, apesar de ter-se formado no útero da sua mãe, e o ADN não corresponde a um teremedosiano.

A Kimberly pergunta se o seu ADN corresponde a um humano, e o seu pai diz que também não, parece uma mistura impossível dum ADN humano com umas características teremedosianas muito fortes, que lhes produzem ter grandes poderes. A Kimberly pergunta se é um caso de híbridos, e o seu pai diz que caso sejam híbridos o seu ADN ficaria metade humano e metade teremedosiano, mas não é assim, o seu ADN é humano mas têm umas características no ADN que produzem os órgãos fonte dos seus poderes teremedosianos, e os seus poderes são dos mais fortes conhecidos. Mas o seu pai diz às suas filhas que têm de viver uma vida normal de teremedosianas, e o seu ADN diferente não tem de ser um problema para elas. As raparigas dizem que o percebem.

Nuns dias mais tarde, a Kimberly volta a ter classe de hipnotismo e fusão mental. A professora pergunta à Kimberly se está pronta para fazer a classe, e a Kimberly diz que agora já está outra vez concentrada. A professora diz-lhe que vai começar a classe, e têm de passar uma imagem pela fusão mental ao colega e depois o colega tem de desenhar a imagem recebida. A Kimberly e a sua amiga fazem a fusão mental como toda a classe, e a Kimberly passa uma imagem à sua amiga. A amiga desenha a imagem que lhe passou a Kimberly, que é uma piscina. A amiga diz: “Uma piscina?” e a Kimberly diz: “Queres ir comigo à piscina neste sábado? Para veres uma rapariga teremedosiana que é como tem de ser”. A amiga ri e aceita.

No sábado, na piscina estão a Kimberly, a Karla e a amiga da Kimberly. A Kimberly diz às outras duas raparigas para pularem à piscina e verem quem é a mais rápida, e a Karla e a amiga da Kimberly dizem que estão de acordo. As três raparigas pulam à piscina, e começam a fazer a competição. A primeira em chegar é a Kimberly, a segunda é a Karla e a terça é a amiga. A amiga diz que elas são mais rápidas e ganhá-la-ão sempre, e a Kimberly diz que noutras coisas ganha ela. A Kimberly, a sua amiga e a Karla seguem nadando na piscina, e desta vez mais devagar. A Kimberly diz à sua amiga que se quiser, poderá ir mais devagar, mas tem de ter em conta que se fizer isto, estará a deixá-la ganhar. As três raparigas riem, e termina o episódio.