FANDOM


Ide-vos embora!
14
Número de episódio 6
Temporada 2
Número total 14
Título em Teremedó ¡Marḣew ďakí!
Data de estreia 16 de outubro do 2016
Lista de episódios
anterior
A merda do cu
seguinte
A Terra, Parte 1
Coisas de Irmãs

Ide-vos embora! é o episódio 6 da temporada 2 da série Coisas de Irmãs e o episódio 14 em total. Estreou-se em 16 de outubro do 2016.

Argumento Editar

O episódio começa no hotel Kasa Tot, onde o Jordy Kúdigy está a retomar o seu trabalho, e encontra-se uma nota num armário que diz que lhe tiraram os objectos da FEF porque já não pertence à FEF. Mas o Jordy não sabe o que se passou com o seu dobro. Enquanto isso, em casa, a Kimberly e a Karla estão a planear a missão que lhes deu o Jordy, e têm de ir com cuidado caso falhem. As raparigas saem da sua casa e vão de metro a Pulá, e tentam entrar. Mas um oficial não permite a entrada a gente que não seja da FEF ou duma secção do governo com permissão. Então as duas raparigas vão-se embora, mas apanham o holo-emissor da FEF para tornarem-se invisíveis, e conseguem entrar. Começam a sua missão da pesquisa, e têm de ir à secção das informações secretas da FEF. Chegam até uma sala, e ali encontram o computador que tem o controlo duma parte de Pulá…

A Karla quer começar a buscar, e a Kimberly diz: “Tens a certeza que aqui encontraremos o que nós queremos?” e a Karla diz: “E qual é o teu plano? Porque acho que também não tens um plano”. A Karla começa a trabalhar nesse computador, e de repente a sala fica escura. Enquanto isso, fora do edifício, parece que o tempo se congelou, porque nas ruas todos os veículos e todas as pessoas não se movem, estão numa borbulha e o tempo está detido. Em Pulá, as duas irmãs saem da sala, quando encontram a porta, e encontram o mesmo: estão numa borbulha do tempo e todo está parado. A Karla diz: “E agora como podemos voltar ao tempo normal?” e a Kimberly diz que podem dar uma vista de olhos pela cidade congelada. As raparigas saem de Pulá, e a Karla começa a jogar com a gente da rua congelada. Mas encontram outro problema: os seus corpos estão a desaparecer…

A Kimberly e a Karla voltam a Pulá depressa, preocupadas pelos seus corpos instáveis. Em Pulá, não se lembram da sala na que entraram, e perdem-se no edifício. Mas elas descobrem numa zona grande de Pulá que a nave FEF 09 está ali, e os oficiais superiores Pumiky e Ann também estão lá congelados. E uns oficiais estão a fazer algo nos motores, mas também estão sem mover-se, duma maneira parecida ao resto de pessoas. A Kimberly diz que acabou a brincadeira e têm de voltar ao tempo normal, e acha que sabe onde estava a sala que congelou o tempo. As raparigas encontram a sala na que estiveram antes, mas o computador também está congelado. Não sabem o que podem fazer, e a única coisa que querem fazer é saírem da borbulha do tempo. Mas se não puderem sair, os seus corpos desaparecerão. A Karla diz que não quer que este seja o seu último dia, e a Kimberly diz que ela também não quer ir à merda.

Mais tarde, depois de procurarem nos livros, a Kimberly acha que a máquina do tempo de Pulá pode ajudá-las a voltar à normalidade. Mas a Karla diz que a máquina tem uma grande protecção, e ademais não é utilizada porque ali fizeram uma regla que impede o seu uso. Mas a Kimberly diz que elas estão numa borbulha do tempo, as suas vidas estão em risco e aqui não há regras, têm de utilizar o que for necessário para salvarem-se. E a Karla está de acordo, e utilizarão a máquina. Agora o objectivo é que a máquina funcione na borbulha, e as raparigas começam a tocar botões. Quando finalmente conseguem que funcione, agora têm de pôr uma data e hora para viajarem, e fazem-no. Quando a máquina está pronta, utilizá-la-ão. As raparigas sobem na máquina, e de repente desaparecem…

As raparigas estão a flutuar entre umas imagens da história de todo o universo, e depois acabam numa sala da FEF, com muitos oficiais de Pulá que as encontraram, e estão a castigá-las por terem entrado em Pulá sem permissão. A Kimberly diz-lhes que o Jordy lhes deu uma missa para entrarem ali, e um dos oficiais diz que o Jordy já não é da FEF, foi expulso. As raparigas não percebem por que é que o tiraram da FEF, e o oficial diz que isto é confidencial. A Kimberly pede-lhe desculpas, e o oficial diz: “Pedido de desculpas aceite, porque sois vós”. As raparigas também não percebem nada, e vão-se embora. As raparigas apanham o metro, e a Kimberly diz que se calhar tiraram o Jordy da FEF porque se passou alguma coisa com o seu dobro que eles não sabem, e decidem que têm de falar com o Jordy no hotel Kasa Tot, pessoalmente.

No hotel, o Jordy diz às raparigas que ele não lhes disse nada aos oficiais da FEF em Pulá sobre as suas acções porque lho pediu o almirante 21 directamente, e diz-lhes que antes de fazerem uma viagem à Terra, têm de falar com o almirante 21, e encontrá-lo-ão na nova holocoberta de Bàrcinon. As raparigas dizem que concordam, e o Jordy diz que elas duas são a única esperança da FEF e dum bom futuro para o almirante 21. E dá-lhes uma passagem para irem de comboio à Terra com ou STK. As raparigas vão-se embora do hotel, contentes porque finalmente irão à Terra. Quando as raparigas estão bem longe do hotel, o Jordy diz: “Já sei por que é que vós não tendes dobros no Universo Espelho nem na linha do tempo original… Mas ainda não vos posso dizer a razão disto até ser o momento”…

As irmãs Duver§a chegam a casa, e dizem aos seus pais que já irão à Terra, porque o Jordy lhes deu uma passagem para os comboios STK que passam pela Terra. E dantes, têm de ir à inauguração da nova holocoberta de Bàrcinon porque ali estará o almirante 21 e têm de falar com ele, segundo o que disse o Jordy. Os seus pais dizem que a Terra pode ser um lugar perigoso para elas, não é tão seguro como Teremedó, e os países não estão muito unidos. Há guerras, regras diferentes e muita diversidade de línguas, e por tudo isso é que não permitem às pessoas de visitarem a Terra quando quiserem. Contudo, prepará-las-ão para esta viagem tão importante e perigosa, e dizem que na Terra estarão sozinhas, sem pais ou professores, e a polícia da Terra é bem mais dura do que em Teremedó. As raparigas dizem que aceitam os riscos e comunicar-lho-ão ao namorado da Karla.

A Karla telefona ao seu namorado e diz-lhe que irão à Terra, e o rapaz diz que já lho pediu aos seus pais e não aceitaram. No entanto, irá de todas as maneiras, e escapar-se-á de casa. A Karla diz que não o faça, e ele diz que o fará seja como for. E fá-lo-á embora não tenha obtido a permissão dos seus pais. A Karla aceita. Os três da equipa estão a preparar-se para a viagem, mas lembram que dantes têm de ir à holocoberta de Bàrcinon para falar um bocadinho com o almirante 21, que estará a desfrutar ali da nova holocoberta. E mais uma vez, a Kimberly ruboriza-se quando fala sobre o almirante 21, com o que se demonstra que ela gosta dele. Na viagem passarão por três países, para irem até uma cidade que se chama Barcelona, porque ali mora o almirante 21. Mas visitarão uma cidade que se chama Lisboa, já que ali falam português, e elas falam essa língua porque também se fala em Portugània, do planeta Teremedó. Depois de planearem a viagem, termina o episódio.